BNDES anuncia chamada de projetos para Internet das Coisas

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e o Ministério de Ciência, Tecnologia e Comunicação (MCTIC) lançaram hoje (14) uma chamada para a seleção de projetos-pilotos de Internet das Coisas (IoT), que é a tecnologia de conectividade e troca de informações entre máquinas e equipamentos.

O objetivo da instituição é selecionar iniciativas de integração e avaliação de soluções de IoT voltados para as áreas de cidades inteligentes, saúde e ambiente rural. O valor mínimo do apoio do BNDES será de R$ 1 milhão, limitado a 50% do total de cada projeto.

As instituições tecnológicas públicas ou privadas sem fins lucrativos terão até 31 de agosto para submeter as propostas ao banco. As iniciativas propostas nos projetos-pilotos terão sua tecnologia testadas em plataformas de experimentação e em ambientes reais.

O presidente do BNDES, Dyogo Oliveira, disse que a expectativa da instituição é de que a chamada para a seleção de projetos envolva investimentos de pelo menos R$ 40 milhões, se levado em conta os recursos não reembolsados a serem liberados pelo banco e as contrapartidas das empresas envolvidas no processo.

Hoje vivemos momentos diferentes de desenvolvimento tecnológico. E as tecnologias não têm mais impactos de séculos, como no passado. As tecnologias têm impacto menos duradouros e as inovações acontecem de forma muito mais rápida. E a IoT é a tecnologia que terá maior impacto na vida das pessoas nas próximas décadas”, disse.

Fonte: Agencia Brasil

Anúncios

Google se compromete a não usar inteligência artificial para armas

O Google anunciou nesta quinta-feira que não vai desenvolver inteligência artificial para armas ou para “causar ou facilitar diretamente lesões em pessoas”, ao apresentar um conjunto de princípios para o uso desta tecnologia.

Em uma postagem em um blog, o diretor (CEO) da gigante da internet, Sundar Pichai, descreveu as políticas de inteligência artificial (AI) da empresa, observando que, embora a Google não vá usar AI para armas, “continuaremos o nosso trabalho com governos e militares em muitas outras áreas”, incluindo segurança cibernética, treinamento, e busca e salvamento.

O anúncio ocorre em um momento em que a Google sofre pressão de funcionários e outros por conta de um contrato com as forças armadas americanas, o qual a gigante de tecnologia, sediada na Califórnia, informou na semana passada que não seria renovado. “Vamos continuar nosso trabalho com o governo e as forças armadas em muitas outras áreas”, escreveu Pichai, em meio a pressões por um contrato com o setor militar que a gigante da tecnologia disse na semana passada que não será renovado.

Pichai definiu sete princípios para a aplicação da inteligência artificial pela Google, ou a computação avançada que pode simular um comportamento humano inteligente. Ele disse que a Google está usando a AI “para ajudar as pessoas a lidar com problemas urgentes”, como previsão de incêndios florestais, ajuda aos agricultores, diagnóstico de doenças, ou prevenção da cegueira. “Reconhecemos que essa tecnologia poderosa levanta questões igualmente poderosas sobre seu uso”, destacou Pichai no blog. “Como a inteligência artificial é desenvolvida e usada terá um impacto significativo na sociedade por muitos anos. Como líderes em AI, sentimos uma profunda responsabilidade de fazer isso corretamente”, acrescentou.

O CEO disse que os programas de inteligência artificial da Google seriam projetados para aplicativos que fossem “socialmente benéficos” e “evitassem criar ou reforçar tendências injustas”. Afirmou que os princípios também exigem que os aplicativos de inteligência artificial sejam “construídos e testados para segurança”, que sejam “responsáveis para as pessoas” e “incorporem princípios de design de privacidade”.

A Google evitará o uso de qualquer tecnologia “que cause, ou possa causar, danos gerais”, escreveu Pichai. Isso significa evitar “armas ou outras tecnologias cuja finalidade ou implementação principal seja causar ou facilitar diretamente danos às pessoas” e sistemas “que coletem ou usem informações para vigilância que violem normas internacionalmente aceitas”.

A medida é adotada em meio a preocupações crescentes de que sistemas automatizados ou robóticos possam ser mal utilizados e ficar fora de controle, levando ao caos. Várias empresas de tecnologia já concordaram com os princípios gerais de usar a inteligência artificial para o bem, mas a Google parece oferecer um conjunto mais preciso de padrões.

A empresa, que já é membro da Parceria em Inteligência Artificial, que inclui companhias de tecnologia comprometidas com os princípios da AI, enfrentou críticas pelo contrato com o Pentágono no Projeto Maven, que usa conhecimentos de máquina e engenharia para distinguir pessoas e objetos em vídeos feitos por drones. Diante de uma petição assinada por milhares de funcionários e por conta de críticas de fora da empresa, a Google indicou que o contrato de 10 milhões de dólares não seria renovado, de acordo com relatos da imprensa.

Fonte: AFP

Dica Windows: Espaço em Disco Insuficiente – Partição de Recuperação

E ai gente boa!

Você já passou por isso?

O meu Windows 10 vive exibindo a mensagem de “Espaço em disco insuficiente”. Isso ocorre porque a partição (D:) do meu notebook possui apenas 5 MB de espaço livre, mas essa é a partição de recuperação (Recovery Image) que já veio com o notebook.

Tem algum modo de fazer essa mensagem parar de aparecer?

A resposta é sim!

Para resolver o problema, digite proteção de sistema no campo de busca da Barra de Tarefas -> clique em “criar ponto de Restauração” -> Na janela que surgir, remova a marca ao lado da unidade D: e clique em  Aplicar e OK. Veja a imagem:

Entendendo melhor o que se trata esta partição: O objetivo da unidade Recovery (D:) é armazenar todos os arquivos necessários para uma recuperação de emergência, caso o sistema torne-se instável. A unidade Recovery (D:) é, na verdade, uma partição na unidade de disco rígido principal no computador – não um disco físico real. Ela tem muito menos espaço disponível que a unidade (C:). Se você usar a unidade Recovery (D:) para armazenar arquivos (como arquivos do MS Backup), a unidade ficará cheia rapidamente e poderá causar problemas sérios quando você tentar usar a recuperação do sistema.

 

Golpes no WhatsApp – Hackers usam greve dos caminhoneiros e Seleção Brasileira

A greve dos caminhoneiros, que tem ganhado enorme repercussão no Brasil, tem sido usada por cibercriminosos para disseminação de links maliciosos por meio do WhatsApp. O ataque foi identificado pela empresa de segurança cibernética Kaspersky Lab.

Como em ataques anteriores, a campanha utiliza um tema popular e da engenharia social para se propagar. Na mensagem, a vítima recebe um link malicioso, na esperança de encontrar uma lista de postos de gasolina em que o combustível ainda estaria disponível.

Em menos de 24 horas, mais de 60 mil usuários acessaram a página falsa e foram expostos a ciberataques que podem variar de acordo com o sistema operacional do smartphone.

A mensagem tem um link encurtado e promete a suposta lista dos postos que ainda têm combustível:

Ao acessar o link, o usuário é redirecionado para uma página fraudulenta e, para acessar a falsa lista com os nomes dos postos que ainda tem combustível, solicita a cidade e estado em que a vítima se encontra.

Imediatamente após compartilhar o link com seus contatos no WhatsApp, o site fraudulento irá, por meio de uma série de redirecionamentos, encaminhar o usuário para sites que oferecem serviços Premium, instalação de aplicativos legítimos ou apenas um direcionamento para sites cheios de propaganda.

Cuidado também!!

Uma nova promoção via WhatsApp promete uma suposta camisa da seleção brasileira de futebol. Entretanto, segundo alerta da Kaspersky Lab, trata-se de um novo golpe orquestrado por cibercriminosos cujo domínios estão hospedados na Rússia.

A mensagem entregue via aplicativo informa ao usuário que a Nike estaria comemorando 22 anos vestindo a seleção e, por isso, estaria oferecendo uma camisa oficial como brinde. Para conseguir a camiseta, o usuário precisaria ainda compartilhar a mensagem recebida com sua lista de contatos – ajudando a escalar a campanha dos hackers.

Segundo a Kaspersky, o golpe tem implicações distintas para Android e iPhone. Isso porque no primeiro caso, o usuário é levado a instalar um aplicativo malicioso que infecta o smartphone com um malware chamado Adware:AndroidOS.Dnotua. Para ganharem dinheiro, os hackers fazem uso de propaganda agressiva nos apps. Já no segundo caso, o usuário é levado a instalar aplicativos que estão na App Store, algo que pode mascarar suspeitas por estarem na loja oficial da Apple. Cada vez que os apps são instalados, ainda que não façam mal ao smartphone, os hackers ganham dinheiro por terem viabilizado o download.

A Kaspersky reporta que o golpe está ligado ao Leste Europeu, já que os domínios aos quais os usuários são direcionados estão hospedados na Rússia.

A companhia aconselha aqueles que forem vítimas do golpe a desinstalerem os apps suspeitos ou ainda realizar a restauração total do smartphone, mas não sem antes realizar o backup dos dados.

Fonte: Idgnow

Regulamento Geral de Proteção de Dados (GDPR)

Regulamento Geral de Proteção de Dados (GDPR) entrou em vigor em todos os países membros da União Europeia, no dia 25 de maio de 2018.

Em suma, todos os países que fazem negócios no bloco devem estar em conformidade com os padrões GDPR. Muitas empresas, particularmente na UE, estão a caminho do cumprimento. Outros estão apenas começando a considerar as suas consequências. A maioria (93%) dos entrevistados de uma pesquisa recente da SAS ainda não está totalmente adaptada às novas normas, por exemplo. Entre as empresas norte-americanas consultadas, apenas 30% esperam cumprir o prazo.

E isso porque a maioria dos entrevistados prevê benefícios para suas organizações que resultarão de seus esforços para se tornarem compatíveis com o GDPR. “As organizações que cumprirem o GDPR terão um gerenciamento de dados muito mais forte, o que leva ao aumento da produtividade e a um melhor entendimento e maior capacidade para atender seus clientes”, explica Cristiano Duarte, gerente de Data Management e Inovação do SAS América Latina.

De fato, 84% de todos os entrevistados disseram esperar que o GDPR melhore sua governança de dados, enquanto que 68% também antecipam que o GDPR aumentará a confiança entre eles e seus clientes. A SAS ouviu 183 executivos, de diversas indústrias, que devem ser impactadas pelas novas normas.

Embora o GDPR tenha sido amplamente divulgado e discutido, as dúvidas persistem. A implementação do GDPR é um empreendimento complexo que exige uma abordagem passo a passo com base em uma visão compartilhada entre o departamento de TI, o departamento jurídico, os proprietários de linhas de negócios e os executivos de nível de diretoria de uma organização. A falta de preparação para o GDPR pode trazer repercussões significativas, caras e altamente indesejáveis.

Fonte: idgnow

Nobel de tecnologia

O físico finlandês Tuomo Suntola venceu na terça-feira (22) o prêmio Millennium Technology, considerado o “Nobel de tecnologia”, por sua contribuição à miniaturização e modernização dos celulares e computadores.

“A inovação contemplada, o ALD (Atomic Layer Deposition), é uma nanotecnologia usada no mundo inteiro”, declarou em comunicado a Academia de Tecnologia da Finlândia, que atribui o prêmio.

O ALD é um processo de armazenamento de finas camadas, da espessura de um átomo, que conduz pouco ou nada de eletricidade, mas permite que as forças eletrostáticas se manifestem. Hoje em dia uma grande quantidade de dispositivos, como computadores, smartphones, microprocessadores e outros artefatos digitais, usam ALD, que melhora seu desempenho e também sua vida útil.

“As películas isolantes ou condutoras extremamente finas, que são necessárias nos microprocessadores e na memória dos computadores, são fabricadas com a tecnologia ALD desenvolvida por Tuomo Suntola”, acrescentou a Academia. Suntola, de 74 anos, desenvolveu o ALD em 1974 para substituir as telonas em hospitais – grandes e complexas – por telas planas e eletroluminescentes.

“A princípio, não tínhamos laboratório, mas eu tinha a tabela periódica dos elementos colada na parede e, olhando para ela, me ocorreu fazer uma mistura a partir de seus componentes”, contou o físico à AFP antes da cerimônia de premiação, organizada em Helsinque, nesta terça-feira à tarde.

Essa tecnologia teve o seu advento nos anos 1990, quando foi aplicada na indústria em grande escala para começar a fabricar materiais muito finos para o setor de alta tecnologia. “O ALD permitiu aumentar consideravelmente a densidade dos componentes. Em outros termos, não teríamos as capacidades que conhecemos hoje em nossos smartphones e computadores sem a tecnologia ALD”, explicou o cientista.

Tuomo Suntola, doutor em Física de Elétrons na Universidade de Tecnologia de Helsinque, contou que entrou na Física quando era adolescente, na época em que começou a construir rádios com seus amigos. Este prêmio, que concede ao vencedor um milhão de euros, foi criado em 2004 e é considerado o equivalente tecnológico dos prêmios Nobel suecos para as ciências, nos quais a recompensa é menor – 890 mil euros – e suas categorias foram criticadas como defasadas.

Entregue a cada dois anos, o prêmio distingue inovações recentes, disponíveis para o grande público e que “melhoram a qualidade de vida das pessoas em longo prazo”. Suntola sucede o britânico Tim Berners-Lee, um dos primeiros a desenvolver a ideia de uma rede mundial conectada, e o cidadão americano nascido na Finlândia Linus Torvalds, criador do programa livre Linux.

app TeenSafe tiveram suas informações comprometidas

Milhares de contas de pais e de adolescentes do app TeenSafe, utilizado por pais para monitorar os aparelhos de seus filhos, tiveram suas informações comprometidas. Segundo informações do portal ZDNet, pelo menos um servidor hospedado na Amazon Web Services, usado pelo app, vazou dezenas de milhares de contas de seus suários.

Os dados, incluem senhas e IDs da Apple, que teriam sido armazenados em texto simples. Tais dados estariam disponíveis para qualquer um que se desse ao trabalho de explorá-los, já que não exigia uma senha.

A brecha em questão foi identificada pelo pesquisador de segurança Robert Wiggins. Ele descobriu que dois servidores teriam sido afetados, mas que apenas um deles, aparentemente, armazenava os dados dos usuários.

O aplicativo TeenSafe oferece um serviço visto por muitos como controverso – isso porque permite pais terem acesso ao histórico de navegação do aparelho de seus filhos, além de mensagens compartilhadas, incluindo em serviços como o WhatsApp e iMessage, localização e apps que foram instalados. O app não requer o consenso de seus filhos para acessar o aparelho dos mesmos.

Em comunicado a ZDNet, um porta-voz do TeenSafe informou que começou a alertar os usuários que potencialmente podem ser afetados e que fechou um dos servidores afetados. No total, cerca de 10.200 contas, nos últimos três meses, foram comprometidas. Os dados comprometidos não incluem fotos, mensagens ou localizações de usuários.

Fonte: Idgnow